sexta-feira, 11 de janeiro de 2008

O Exorcista / The Exorcist



Sinopse
Regan Teresa MacNeil (Linda Blair) é um criança adorável e extrovertida que do dia para a noite muda drasticamente o seu comportamento. A mãe, a actriz Chris MacNeil (Ellen Burstyn), é a testemunha de fenómenos bizarros que envolvem a sua filha, inexplicáveis para comunidade científica médica e psicológica. Até que um dia alguém lhe sugere um exorcismo, e partir daí tudo faz sentido - Regan está possuída por algo maléfico que diz ser o próprio Diabo...
[por Hugo Gomes]

Opinião
Um Clássico sem dúvida, uma das obras primas do Terror. Realizado por William Friedkin (Os Incorruptíveis contra a droga), com Linda Blair a encarnar a criança possuída.
O filme destaca-se pela caracterização da posse, com notáveis efeitos especiais para o ano em que foi realizado (1973).
Quem não se recorda da cabeça a rodar totalmente sobre o corpo... e o bolsar em jacto de um líquido verde viscoso... se não se lembra é porque ainda é muito novo para ver este tipo de filmes.
Sempre que se fale de terror tem que se falar do "exorcista", é uma das poucas obras que fizeram história e deixaram marca no cinema de terror.
Lembro-me que, quando vi o filme pela primeira vez, andei uns meses sem conseguir dormir sozinho tal foi o trauma. Para vos dizer a verdade ainda hoje não o consigo ver sozinho às escuras :)
Não podia deixar de o mencionar no Blog.

4 comentários:

Gonças disse...

Ainda não consegues ver o filminho com as luzinhas apagadinhas??? MANINO! eheh

Pacadifam disse...

Eu queria-te ver a olhar pa esta fronha às escuras... sozinho... até te mijavas todo.

Passageiro disse...

Ainda tenho lembranças ruins de quando assistí a primeria vez este filme. Junto com "Carrie - A estranha" e "Terror em Amityville" (o original), são os filmes que me trouxeram pesadelos por muitos dias.
Não basta só o susto, estes filmes ficam na memória por algum tempo, assombrando...

Pacadifam disse...

Este é sem dúvida um título que fica gravado na nossa memória, tb devido ao tema da possessão que bem explorado psicológicamente nos deixa a pensar no assunto.
Aposto que o meu amigo Gonças tb tem lá uma marcazita deixada pela Regan...
Abraço,